Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Good men never die. Their legacy is too great.

15.12.13publicado por Gato Pardo

Falava uns dias atrás com um amigo sobre cinema. E como ando com a percepção de que a velha guarda de actores não foi devidamente rendida com o respeito e reconhecimento devido.

Acabei de ser confrontado com a morte de Peter O'Toole. Fiquei triste. A par de Paul Newman, estes eram os dois monstros sagrados (outros terão opiniões divergentes, respeito) que eu desejava que fossem eternos. Paul Newman já havia partido, hoje foi a vez de Sir Peter.

Lembro-me bem da primeira vez que vi Peter O'Toole no cinema. Tinha a tenra idade de 10 anos. O filme foi "O Último Imperador" de Bernardo Bertolucci. Obviamente que aos 10 anos, ir ao cinema ver dramas biográficos históricos não era exactamente o que desejava num fim de semana mas aos 10 anos não se tem grande margem de manobra.

Recordo-me de ter ficado fascinado. Não sei se pelo facto de todo um mundo visual que me era desconhecido me ter sido dado a descobrir, se a cultura tão distinta da nossa ou se simplesmente tudo junto. Lembro-me de que o filme passava largamente as duas horas de película mas não dei pelo tempo passar, de tão abismado que estava.

E no desenrolar de toda a história, surge Peter O'Toole. Ou Sir Reginald Fleming Jonston. Ou Mr. Johnston, como Pu Yi, o imperador precoce o tratava. Havia algo na personagem de Peter O'Toole que me deixava curioso. Tão curioso que vi o filme mais de 20 vezes em busca de mais um qualquer pormenor que me permitisse juntar mais uma peça ao quebra cabeças que era a personagem.

Hoje percebi finalmente que não havia mais peças a juntar. Ele foi simplesmente um dos maiores actores que tive o prazer de ver representar na grande tela (embora a sua carreira não se tenha limitado a ela, longe disso).

Levou-me a ver "Lawrence da Arábia" ou "Becket".

Foi nomeado 8 vezes para o Óscar da Academia. Nunca almejou tal feito.

Rest in peace, dear Peter.

 

"I will not be a common man. I will stir the smooth sands of monotony."

Peter O'Toole